ENTREVISTA: Kat McNamara fala sobre Shadowhunters e mais para a Bellus Magazine
20 de janeiro de 2017 categoria principal: Entrevistas
Postado por Leili Santos
COMPARTILHE

Confira o photoshoot e a entrevista da Katherine McNamara concedida para a Bellus Magazine, onde ela fala sobre o processo de audição de Shadowhunters, sua personagem e mais:


Ensaios Fotográficos – Photoshoots > 2017 > Bellus Magazine

O que te inspirou a ser atriz?

Eu nunca pensei em ser atriz. Quando criança, eu sonhava em trabalhar com finanças. Eu estava determinada a trabalhar até me tornar CFO (Chefe do Setor Financeiro) de uma empresa multinacional, comandar a minha própria empresa, ou me tornar uma consultora financeira. No entanto, tudo isso mudou quando eu encontrei um amigo da família que precisava de uma dançarina em uma peça de teatro da comunidade. Eu tinha dançado por toda a minha vida como um hobby e era uma criança que tentava qualquer coisa. Eu nem imaginava que estava prestes a mudar o rumo completo da minha vida. Eu nunca vou esquecer o momento em que eu entrei no palco na noite de estreia. Senti a energia da platéia, o calor das luzes, a pressa de uma apresentação ao vivo e algo me atingiu como uma parede de tijolos. Eu tive esse momento de absoluta clareza de que isso era o que eu precisava fazer pelo resto da minha vida. Eu soube nesse momento que eu fui colocada nesta terra para contar histórias.

Qual é a história por trás de como você entrou em Shadowhunters?
É uma história um pouco longa… Vou tentar resumir o melhor que posso. Obviamente, o canal queria tomar o seu tempo para ter certeza que montariam o grupo de atores que poderiam dar a série o seu melhor lançamento, então eles levaram o tempo necessário no processo e de forma bastante compreensível. Eu fiz a primeira audição cerca de 6 meses antes de ser escalada e, em seguida, não ouvi nada durante vários meses. Então, eu recebi uma chamada pedindo-me para voltar ao diretor e produtores, e isso começou um turbilhão de cerca de uma semana de chamadas: diretor, produtor, canal, estúdio e sobre qualquer outro tipo de reunião e teste que você pode imaginar. Também fiz teste de química com Dom (Jace) e Alberto (Simon). Dom e eu já éramos amigos, então ter um rosto familiar na sala tornou o processo um pouco mais relaxado – isso me permitiu brincar um pouco mais em nossa sessão. Alberto e eu nos encontramos na sala de espera para um de nossos testes. Lembro-me de entrar na sala e ver outra Clary e o outro Simon e imediatamente notei um dos Simon. Eu pensei para mim mesma “lá está ele. Olá, Simon.” Eu não acho que eu tenho que te dizer que era Alberto. Quase imediatamente nós nos demos bem e começamos a brincar um com o outro. Quando chegamos ao nosso teste de química, já tínhamos um bom relacionamento. MAS – a parte mais louca do processo de escalação aconteceu nas últimas duas horas. A conta da série twittou que eles anunciariam a atriz que interpretaria a Clary em 2 horas. Eu não tinha ouvido nada deles, mas eu sabia que era entre mim e outra atriz. Eu achei que ela tinha conseguido desde que eu não tinha ouvido nada ainda. Então recebi um telefonema da minha equipe dizendo para esperar porque não tinham contado nada a ninguém. Eu então continuei o meu caminho até a academia e malhei pelas próximas duas horas apenas para lidar com a energia nervosa. Finalmente, dez minutos antes de anunciarem a Clary, eles me ligaram e me contaram que eu tinha sido escalada. Nos dez minutos seguintes fiquei sem palavras. Emocionada, mas sem palavras porque percebi que o fandom inteiro estava prestes a descobrir que eu estava assumindo essa personagem amada. Eu estava aterrorizada. Eu não tinha ideia de como eu seria recebida. Felizmente, o fandom me deu uma recepção calorosa e tem sido uma viagem louca desde então.

Como é trabalhar em Shadowhunters?
Esta é uma pergunta muito difícil de responder, porque não há dois dias no set de Shadowhunters que sejam iguais. Nós temos tanta coisa acontecendo na série – entre as cenas de ação, os personagens, e a mitologia em si – é muito para acompanhar, mas fornece uma boa variedade para a vida no set. Então trabalhar em Shadowhunters é essencialmente uma montanha-russa louca. É intenso, rápido, às vezes assustador, você pode acabar um pouco suado ou machucado até o final do dia, mas está tudo envolvido nesta euforia e alegria inexplicável por ter feito tudo no final.

Shadowhunters tem uma boa parte de cenas de luta e você faz um monte de suas próprias cenas de ação. Como é o treinamento para a série?
O treinamento para a série é um dos meus aspectos favoritos de ser uma parte disto. Nós fazemos a maioria da nossa própria ação neste momento, com exceção daquelas consideradas muito perigosas (mesmo que nós imploremos para fazermos essas). Somos capazes de fazer isso por causa do nosso treinamento. Temos um instrutor incrível que adapta exercícios para cada uma das nossas necessidades e objetivos específicos, para nos ajudar a estarmos fisicamente prontos, como também ter resistência e força que estão preocupados que tenhamos na série. Temos também um incrível coordenador de dublês e sua equipe que são todos mestres e campeões de artes marciais, ou outras formas de luta, que nos treinam em nossas habilidades de combate. Aprendendo os princípios das artes marciais, ao contrário de aprender apenas alguns movimentos, nós temos mais flexibilidade no dia da cena se as coisas precisam mudar e somos realmente capazes de fazermos mais a longo prazo enquanto nossas habilidades aumentam. Tenho a vantagem de fazer a viagem física com Clary no sentido mais literal. Ela não sabe nada de luta quando começa a série, mas rapidamente consegue habilidades enquanto ela treina com os outros Shadowhunters. É realmente muito divertido.

Qual foi a cena e luta mais intensa que você já fez?
Eu não sei se foi a mais intensa, mas eu tenho que dizer um das minhas cenas favoritas foi com o wire gag (um tipo de arma) eu usei no episódio 4 da segunda temporada. Nós trabalhamos bastante com cenas no ar nesta temporada, isso é um sonho tornado realidade para mim (quem não quer voar como o Peter Pan?), e isso só adiciona para a natureza sobrenatural de nossos personagens enquanto eles lutam. Esta acrobacia é basicamente um salto voando para uma facada e foi tão incrível aprender sobre como tudo funciona e o que vem junto. Essencialmente, eu estou usando um arreio sob minha roupa para que seja enganchado aos fios no teto. Quando o sinal vem, o puxador dá a sua extremidade um bom puxão e eu vou saltando através do ar. Você não percebe o quanto esforço é preciso para voar através do ar e parecer controlado de qualquer forma. Isso é onde o treinamento entra e compensa muito.

Shadowhunters é baseado na série de livros Os Instrumentos Mortais, você leu os livros antes de conseguir seu papel como Clary Fray?
Eu comecei a ler os livros durante o processo de audição e me apaixonei instantaneamente pela série. Eu amo a forma que Cassie teceu essa mitologia tão romântica e criou personagens tão complicados e interessantes. Foi muito importante para mim como atriz ler os livros, pois boa parte da história é contada no ponto de vista da Clary. A forma que ela descreve os lugares, pessoas, e eventos informa muito sobre quem ela é e me deu um entendimento real. Embora nos afastamos do enredo dos livros na série, nós permanecemos fiéis aos personagens e a essência da história. Eu realmente gosto das diferenças, bem como das referências aos livros na série. Isso atinge um equilíbrio bom e nos permite dar a essa história uma nova vida nas telas.

O que você mais ama sobre sua personagem Clary Fray? Você tem algumas similaridades com sua personagem?
O que eu mais amo sobre a Clary é que ela é imperfeita. Sim, ela é a heroína com habilidade incrível e boas intenções, mas ela é jovem e está aprendendo. Ela se joga em situações de todo coração e, como todos nós, muitas vezes cai de cara no chão. Ela faz escolhas egoístas, ela hesita em seus esforços, e ela perde a paciência às vezes. Mas o que é mais importante sobre isso é o fato de que ela sempre escolhe tentar novamente. Ela se recusa a aceitar a desesperança e sempre tem a crença de que o bem vai ganhar de alguma forma. Ela tem uma eterna chama de esperança dentro dela que eu acho que todos nós podemos adotar.

Que conselho você pode dar a outro aspirante a artista por aí que queira seguir uma carreira na atuação?
Eu diria aos aspirantes a atores ou artistas para amar verdadeiramente o que você faz. Ter uma carreira criativa não é fácil. Haverá um pouco de rejeição e crítica no seu caminho e você tem que ser capaz de ter uma pele grossa para perseverar através disso. No entanto, se você ama o que você faz, e encontra felicidade nisso – a negatividade se desvanece em segundo plano e é o melhor trabalho do mundo. Honestamente, para qualquer carreira há obstáculos no caminho. Esse esforço se torna parte de sua história – faz o resultado final do sucesso valer a pena. Portanto, não importa quais sejam seus sonhos – persiga com todo o seu ser. Se você ainda não sabe o que você quer fazer com sua vida, coloque-se lá fora – encontre uma paixão e mergulhe nisso com toda a sua alma. Não tome não como resposta e nunca desista.

Você pode nos contar 5 filmes que você ama?
Gilda, Cinderela em Paris, A Princesa Prometida, Os Suspeitos, Prenda-me Se For Capaz.

E 5 bandas que você ama?
The 1975, Bastille, Two Door Cinema Club, The Chainsmokers, o elenco de Hamilton conta?

Bellus é latino para a beleza. O que a beleza significa para você?
Para mim, a beleza está em toda parte se você a procurar. A beleza é sobre tomar o tempo para apreciar esses pequenos detalhes e pequenos momentos que tornam a vida, seu entorno, uma pessoa, um pôr do sol, especial. A beleza não é sempre algo físico – é sobre o sentimento que pode ser ilícito do espectador. Beleza para mim é a individualidade e a confiança para mostrar o que te faz diferente. A beleza é bondade, luz e amor. Então, muitos vêem a beleza e a perfeição como sinônimo… Eu realmente acho que há mais beleza na imperfeição e diferença. Algo que eu acho tão interessante é o quanto a beleza depende da perspectiva. Uma pessoa pode ver algo tão incrivelmente bonito, enquanto outra pessoa não pensa o mesmo. É por isso que é tão ilusória. A beleza é passageira, é inteiramente subjetiva – e, no entanto, é isso que a torna especial.

Qual é o próximo passo para Katherine McNamara?
Eu realmente não sei. Mas acho que isso é o que torna a vida excitante. O futuro é desconhecido, mas isso significa que está cheio de possibilidades e oportunidades. Essa é uma das coisas que eu tenho mais apreciado sobre a minha vida – a natureza inesperada da direção da minha vida. A incerteza costumava me aterrorizar – ainda faz algumas vezes. Entretanto, eu comecei a perceber que há um tipo especial de beleza na espontaneidade. Ela me dá a oportunidade de dizer sim a qualquer oportunidade que a vida coloca na minha frente e permanecer aberta a tudo o que vem em meu caminho. A variedade é o tempero da vida e eu pretendo provar tudo. Na minha opinião, a vida é para se viver. Se eu tiver uma oportunidade para continuar a minha carreira ou esticar-me criativamente, vou fazer tudo o que posso para levá-la. Dessa forma eu posso olhar para trás na minha vida sem lamentar as chances perdidas. Em última análise, eu quero continuar contando histórias, criando personagens e encontrando a beleza nas imperfeições da vida. Eu sou um camaleão, um metamorfo, uma atriz.

Fonte | Tradução: Equipe Kat McNamara Brasil